Squad: conheça o modelo organizacional adotado por startups como o Spotify

Conquistar agilidade para responder às demandas em constante transformação é o objetivo de toda empresa que deseja ser competitiva. Por esse motivo, tem aumentado o investimento em softwares que automatizam processos e descomplicam rotinas corporativas. Paralelamente à aposta em tecnologia, novos modelos organizacionais surgem para aprimorar a dinâmica de trabalho. Um deles é o Squad, que foi adotado pela gigante do streaming Spotify e se tornou tendência entre startups.

Como o nome em inglês sugere, squads são esquadrões. Diferentemente do modelo tradicional no qual áreas de uma companhia atuam isoladamente, os squads são equipes multidisciplinares e autogerenciadas que reúnem profissionais de diferentes setores – isto é, em um mesmo grupo há um representante de TI, outro de RH e alguém de Design e Finanças, por exemplo. Cada grupo tem um objetivo específico a cumprir – e autonomia suficiente para definir prioridades e tomar decisões.

Autonomia, agilidade e alinhamento

A ideia do formato é garantir agilidade na execução dos projetos, seja o desenvolvimento de um novo produto ou a solução de um problema. Por se tratarem de times pequenos e multidisciplinares, a comunicação entre os membros é facilitada e as respostas são geradas com maior velocidade e eficiência, sempre a partir da troca de conhecimentos e do cruzamento de experiências.

Além de agilidade na entrega, outra vantagem do modelo é a liderança compartilhada. Embora em cada squad exista um product owner, que é o responsável por definir prioridades, as relações dentro dos grupos são orgânicas e horizontais – o que se traduz em mais comprometimento e aumento da produtividade. Vale destacar o maior alinhamento aos objetivos do negócio, assegurado pela comunicação através dos demais níveis de agrupamentos, como as tribes (junção de dois ou mais squads que possuem objetivos similares) e os chapters (profissionais com a mesma skill, isto é, do mesmo departamento).

Pensando em implementar o modelo de squads na sua empresa? Então coloque na balança os pros e contras. O sucesso do formato depende da cultura corporativa e da maturidade dos profissionais em atuar com liberdade e autonomia. Nas empresas com hierarquias rígidas pode ser difícil a adaptação a um método que demanda flexibilidade, colaboração e autogestão. Você faz parte de algum squad? Compartilhe conosco sua experiência com esta metodologia.

A Norber desenvolve tecnologias de controle de acesso e de frequência alinhadas às novas demandas do mercado. Softwares como o NewPonto Cloud e o NewMobile modernizam rotinas do RH e ao mesmo tempo fornecem maior flexibilidade e mobilidade aos usuários. Para conhecer as funcionalidades destas soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

5 razões para cultivar a diversidade no ambiente de trabalho

A liderança tem papel decisivo na promoção da diversidade no ambiente de trabalho. É por meio do comprometimento de diretores, gerentes e líderes que políticas de inclusão são tiradas do papel e se tornam realidade, seja na hora de contratar, equiparar salários e garantir igualdade de oportunidades. As empresas mais inovadoras já compreenderam as vantagens dos ambientes heterogêneos e abertos aos diferentes gêneros, competências, etnias, idades e origem social. Veja 5 razões para seguir este exemplo e cultivar a diversidade.

  1. Enriquecimento cultural

Profissionais de perfis diferentes têm vivências, conhecimentos e experiências diferentes. Quanto maior for a mistura de perfis, mais amplo será o campo de visão de uma empresa e, portanto, maior sua capacidade de desenvolver soluções criativas. A pluralidade de ideias é enriquecedora, pois abre um mundo de novas perspectivas.

  1. Cultura da inovação

Segundo pesquisa da consultoria Accenture, empresas inclusivas e diversas são 11 vezes mais inovadoras do que a concorrência. O estudo “Getting to Equal 2019” mostrou que 85% das pessoas em companhias que valorizam a cultura da igualdade não têm medo de errar para inovar.

  1. Redução de conflitos

O convívio com a diferença é a chave para a empatia. Ao se colocar no lugar do outro, há uma maior compreensão de pontos de vista distintos. A valorização da diversidade resulta em um melhor clima organizacional, pois embora o jeito de pensar seja diferente, imperam o diálogo, a busca por acordo e o respeito ao próximo.

  1. Aumento da produtividade

Ambientes que acolhem a diversidade tendem a apresentar menores taxas de turnover e de absenteísmo. Na medida em que os profissionais encontram um lugar cooperativo, acolhedor e flexível, passam a se sentir mais engajados com a empresa e mais motivados a desempenhar suas tarefas com eficácia.

  1. Fortalecimento de imagem

Empresas que combatem preconceitos são bem vistas não só pelos funcionários, mas também pela sociedade. Ao garantir que minorias historicamente excluídas do mercado de trabalho tenham as mesmas oportunidades, as corporações cumprem seu papel social e fortalecem a imagem junto a clientes e formadores de opinião.

A Norber desenvolve sistemas de controle de acesso e de frequência alinhados às novas demandas do mercado de trabalho. O NewPonto Cloud é um software que automatiza a gestão do controle de ponto e moderniza operações do dia a dia. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

4 dicas para implementar a cultura de inovação na sua empresa

As bem sucedidas empresas digitais alavancam crescimento exponencial porque cultivam a cultura de inovação. Com uma filosofia interna voltada para a experimentação, elas valorizam o potencial criativo em todos os níveis, tanto produtivos quanto gerenciais. Desta forma, são um exemplo para as corporações tradicionais, que devem promover mudanças sob o risco de ficarem ultrapassadas. Confira estas dicas e implemente a cultura de inovação na sua empresa.

  1. Permita a ousadia

As empresas mais inovadoras são as que encorajam que todos, independentemente de função ou hierarquia, tragam suas ideias mais ousadas para a mesa. O Google, por exemplo, democratizou a experimentação dando autonomia a seus engenheiros. Isso possibilita que novas soluções sejam testadas e colocadas no mercado muito mais rapidamente, algo bem diferente do que acontece em corporações engessadas, onde o desenvolvimento de um novo produto ou serviço leva anos e consome milhões em recursos.

  1. Desburocratize rotinas

De nada servem as boas ideias se elas não encontram ambiente fértil para serem desenvolvidas. Por isso, é importante remover barreiras internas escondidas atrás de hierarquias rígidas ou processos repletos de burocracia. As mudanças verdadeiras acontecem quando visões, procedimentos e recursos estão alinhados na mesma direção, em todas as áreas da corporação.

  1. Abuse da tecnologia

A construção de um ambiente propício à inovação tem tudo a ver com tecnologia. A Amazon, por exemplo, tornou-se a gigante que é introduzindo recursos high-tech em seus processos operacionais e logísticos. Para além do uso no core business da empresa, a aplicação de tecnologia na gestão proporciona mais dinamismo ao dia a dia corporativo. Invista em recursos em nuvem, aposte em softwares que descomplicam a gestão e automatize rotinas gerenciais como o controle de ponto. A implantação de soluções deste tipo tende a tornar a empresa mais ágil na medida em que o tempo passa a ser gasto com questões menos repetitivas e mais estratégicas e criativas.

  1. Incentive a criação coletiva

As ideias têm mais chance de sair do papel quando desenvolvidas em equipe, sendo papel dos líderes incentivar a colaboração e a criação coletiva. Atualmente, a internet encurta distâncias e permite que colaboradores trabalhem remotamente, de qualquer lugar do mundo. Forme times engajados com a inovação, dê autonomia às pessoas e estimule-as a pensar fora da caixa. É só saindo da zona de conforto que sua empresa se destacará no mercado e ganhará vantagem competitiva.

A Norber desenvolve sistemas de controle de acesso e de frequência alinhados às demandas por inovação do mundo corporativo. O NewPonto Cloud é um software que automatiza a gestão do controle de ponto e moderniza operações do dia a dia. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Os benefícios não financeiros das melhores empresas para trabalhar

Qualidade de vida e trabalho não são valores incompatíveis nas empresas que integram as listas de melhores para se trabalhar. Para conquistar e reter talentos, estas organizações já perceberam que não basta um bom salário. Principalmente entre profissionais das gerações millennial e centennial, é importante oferecer um ambiente estimulante e flexível, investir em bem-estar e desenvolvimento profissional. Conheça os benefícios não financeiros que fazem a cabeça dos funcionários nas melhores empresas para trabalhar.

Mindfulness, ioga e academia

A depressão é considerada a “doença do século”. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), será a enfermidade mais incapacitante do planeta até 2020. Por isso, estão ganhando espaço nas empresas práticas de relaxamento como mindfulness e ioga, que combatem o stress antes que a ansiedade ou a síndrome do pânico façam um estrago na saúde do colaborador. Além do tradicional plano de saúde, benefícios como academia e programas que incentivam a alimentação saudável são valorizados pelos funcionários, que prezam o bem-estar físico e mental.

Parentalidade e auxílio creche

O tempo que passamos com nossas famílias é inegociável, não é mesmo? Para as profissionais que se tornam mães, a licença maternidade estendida de 6 meses é mais que bem-vinda. E por que não falar em paternidade e dar aos homens um tempo maior além dos 5 dias estabelecidos por lei para que possam curtir a chegada do filho, seja biológico ou adotivo? Na hora de retornar ao trabalho, contar com auxílio creche é garantia de deixar o pequeno num lugar seguro e confortável. Também há empresas que incentivam a amamentação proporcionando condições adequadas para armazenamento do leite materno.

Mentoria e bolsa de estudos

Vivemos tempos de aperfeiçoamento contínuo. Se, por um lado, as gerações que nasceram com o smartphone na mão são multitarefas e movidas a desafios, os profissionais com mais tempo de casa podem ter dificuldade na adaptação a novos processos e tecnologias. Programas de desenvolvimento profissional, como mentorias e bolsas de estudo, são muito bem vistos. Além de aumentarem a empregabilidade e capacidade produtiva do colaborador, também geram maior conexão dele com a empresa.

Day-off e jornada flexível

Quem não quer ter um dia livre para fazer o que quiser? O day-off é um jeito simpático de beneficiar o colaborador com uma folga no dia ou semana de seu aniversário. Jornadas flexíveis, que possibilitem o trabalho remoto ou horários alternativos, também estão em alta na medida em que permitem conciliar vida pessoal e profissional. Como este tipo de jornada funciona, sobretudo, em ambientes com gestão mais compartilhada e menos hierárquica, é importante desenvolver uma política de benefícios compatível com os valores e a cultura da empresa.

A Norber desenvolve tecnologias de controle de acesso e de frequência alinhadas às novas demandas do mercado de trabalho. O NewMobile é um software que permite a marcação de ponto via smartphone, à distância e em tempo real. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Liderança 4.0: Características do gestor na era digital

O modelo tradicional de gestão, marcado por hierarquia, padronização e controle, está ficando para trás. O progresso tecnológico e a chegada de gerações hiperconectadas ao mercado de trabalho exigem das empresas uma gestão mais compartilhada e menos hierárquica: a liderança 4.0. Este novo conceito faz referência à chamada 4ª Revolução Industrial, ou Indústria 4.0, processo cujo potencial transformador é tão ou mais poderoso que o proporcionado pela máquina a vapor, a eletrônica ou a informatização nos séculos passados.

Nesta nova era, a convergência de tecnologias disruptivas como robótica, inteligência artificial, internet das coisas e computação em nuvem tem impacto radical no modo de vida, no consumo, no jeito de se relacionar e de fazer negócios. O ambiente empresarial, consequentemente, tem que contar com líderes verdadeiramente dispostos a estimular a inovação em seus times para lidar com os desafios da nova era digital.

Foco nas pessoas

Em um ambiente de cadeias produtivas conectadas e processos adaptáveis, é papel da liderança focar nas pessoas. O líder 4.0 atua como um facilitador, alguém que promove o diálogo e empodera os colaboradores. Sua principal característica é a capacidade de entender o outro e extrair dele todo seu potencial. Empatia, facilidade de comunicação e habilidade para lidar com a diferença são aspectos fundamentais.

Colaboração e autogestão

Equipes formadas por millennials e centennials buscam maiores desafios, autonomia e responsabilidades. Para engajar e motivar esta turma movida por propósito é preciso que o líder delegue e faça com que cada um se sinta parte do todo. Ao estimular a comunicação, a autogestão e a colaboração, é possível colher resultados extraordinários, mesmo com os integrantes do time trabalhando à distância.

Rapidez na tomada de decisões

Diante de informações disponibilizadas na nuvem e em tempo real, o líder 4.0 deve tomar decisões rápidas e ter inteligência emocional para lidar com pressões. No dia a dia, deve compreender a totalidade do negócio e ser ágil para encontrar oportunidades. Saber gerenciar conflitos e ter foco nos resultados também são habilidades necessárias ao perfil moderno de gestão.

A Norber desenvolve tecnologias de controle de acesso e de frequência alinhadas às novas demandas do mercado de trabalho. Softwares como o NewPonto Cloud e o NewMobile modernizam rotinas do RH e ao mesmo tempo fornecem maior flexibilidade e mobilidade às lideranças e aos usuários. Para conhecer as funcionalidades destas soluções, acesse  www.norber.com.br e fale com o nosso Comercial.

Geração Z: como preparar sua empresa para os centennials

A Geração Z está chegando ao mercado de trabalho. Nascidos em meados da década de 1990, os chamados centennials (ou pós-millennials) têm agora seus 20 e poucos anos e começam a se inserir profissionalmente nas empresas. Por terem tido acesso a smartphone e wi-fi desde sempre, dominam os meios digitais e veem a evolução tecnológica como um processo natural. Desta maneira, desenvolveram habilidades e têm expectativas diferentes das gerações precedentes. Conheça as características deste grupo e saiba como atrair e otimizar o potencial destes jovens, que serão 20% da força de trabalho em 2020.

Meio digital como habitat natural

Os centennials foram criados num mundo de comunicação instantânea e de acesso ilimitado à informação. Ultraconectados e multitarefas, trafegam com desenvoltura por plataformas digitais e têm um perfil dinâmico, interativo e competitivo. São avessos à hierarquia e podem ter alguma dificuldade nas relações interpessoais. Por outro lado, são participativos e não têm nenhum problema como o diferente. Ao contrário, valorizam a diversidade, a igualdade e a transparência. Assim, para reter os talentos dessa geração, vale apostar num ambiente de trabalho flexível, democrático e participativo, no qual as tarefas possam ser executadas em ciclos curtos, com recompensas (ou promoções) frequentes, à exemplo dos games (gamification). O trabalho remoto também é desejável, pois significa responsabilidade e autonomia.

Movidos a propósitos

Diferentemente dos millennials, vistos como mimados e impacientes, a Geração Z é mais pragmática e pé no chão. Por terem vivenciado com suas famílias um período de instabilidade econômica, valorizam a segurança financeira e fazem planos para o futuro. Para eles, salário e plano de carreira são importantes, mas não significam tudo. O que faz os olhos desta turma brilhar de verdade é poder contribuir com empresas com potencial transformador. Assim, deixe claro qual é o propósito da sua empresa, engaje os centennials em torno dos objetivos organizacionais e surpreenda-se com a capacidade de inovação destes jovens.

A Norber é especialista em softwares de gestão e está alinhada às demandas do mercado de trabalho. O NewMobile possibilita a marcação de ponto via smartphone, de qualquer localidade e em tempo real, fornecendo maior flexibilidade e mobilidade aos usuários. Para conhecer as funcionalidades do NewMobile e outras soluções customizáveis para a sua empresa, acesse www.norber.com.br e fale com o nosso Comercial.

 

A incrível arte de liderar seu time à distância

A primeira questão que vem à mente do gestor quando se fala em trabalho remoto é: como saber se minha equipe está de fato trabalhando? Ligada à cultura do controle, esta dúvida relaciona produtividade à presença física e ao tempo que o colaborador passa em frente ao computador.

Graças ao empurrãozinho dado pela tecnologia, esta cultura tem dado lugar à flexibilidade e à autonomia. Cada vez mais, o talento pode estar no home-office, no coworking do outro lado da cidade, ou até mesmo em outro país. A eficiência no trabalho passou a ser medida não pela presença, mas pelos resultados. Diante desta nova realidade, os gestores devem mudar o jeito de pensar para encarar o desafio de liderar times à distância. Confira nossas dicas e extraia o melhor da sua equipe.

Confie e inspire

As relações de trabalho estão mudando! Quem trabalha à distância costuma dar valor a rotinas flexíveis. Por isso, o melhor a fazer é respeitar individualidades e entender que há quem renda mais pela manhã e quem produza melhor à noite. Ao demonstrar consideração pelas escolhas do outro, você estimula o senso de responsabilidade e cria uma relação de confiança. Fomente o protagonismo pessoal e esteja aberto para atuar de modo horizontal. Essa é a atitude esperada de um líder, alguém que motiva, engaja e inspira.

Acompanhe os projetos

Permitir que o colaborador trabalhe de onde quiser não significa abrir mão de certa disciplina. O hábito de realizar encontros periódicos por videoconferência é uma prática que ajuda a acompanhar o fluxo dos trabalhos e garantir que não haja prejuízo nas entregas. A comunicação frequente também é fundamental para que o colaborador remoto não se sinta excluído ou sozinho. Acompanhe os projetos de perto por meio de ciclos rápidos de feedback, crie uma dinâmica efetiva e garanta que seu time mantenha a produtividade alta!

Estabeleça metas

Não dá para esperar resultados sem ter objetivos definidos. Por isso, não deixe de compartilhar com as equipes remotas quais são as metas e os passos para chegar lá. Defina prioridades, estabeleça prazos, mostre progressos e deixe claro que conquistas individuais têm importância para o todo. Com resultados expressivos, o local de onde seu time está trabalhando é o que menos importa!

A Norber é especialista em controle de ponto e desenvolve softwares que auxiliam a gestão da jornada de trabalho dos colaboradores, incluindo os que trabalham remotamente. O NewMobile permite a marcação de ponto via smartphone, de qualquer lugar e em tempo real. Para conhecer as funcionalidades desta e outras soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Riscos jurídicos relacionados à ausência de controle de ponto

Erros no cálculo de horas extras e ausência de controle da jornada de trabalho prejudicam a relação entre empregador e empregado e expõem as companhias a riscos jurídicos. Por isso, contar com um bom sistema de gestão de frequência é o modo mais eficaz de gerenciar a frequência de seus colaboradores e evitar que sua empresa vire alvo de ações trabalhistas. Saiba mais sobre os riscos associados à ausência do controle de ponto.

Ultrapassar as jornadas de trabalho

Gerenciar os diversos tipos de jornadas, bem como eventuais horas extras, é tarefa séria, mas nem sempre fácil. Isso porque, além da jornada padrão de 8 horas diárias, há categorias profissionais que, mediante acordos individuais ou coletivos, atuam no turno 12/36, outras cujos contratos preveem jornadas de até 30 horas semanais sem horas extras, ou 26 horas semanais com possibilidade de até 6 horas extras. Para evitar que os colaboradores excedam os limites estipulados por lei, a utilização de um sistema de gestão de frequência é altamente recomendável. Além de automatizar o controle da jornada, o sistema também permite a marcação do intervalo intrajornada (hora de almoço), que hoje pode ser flexibilizado para até 30 minutos, mediante negociação.

Erros no cálculo das horas extras

Você não quer ter problemas com a Justiça do Trabalho, certo? Então invista em um controle de ponto eficaz, pois conflitos envolvendo horas extras são, historicamente, a causa principal de processos trabalhistas. Horas adicionais trabalhadas devem ser pagas com acréscimo de 50% ou compensadas com folgas, por meio de banco de horas, respeitando os devidos prazos e acordos individuais ou coletivos. Sistemas de gestão de frequência atrelados à folha de pagamento proporcionam maior precisão e segurança no cálculo das horas a mais, minimizando a chance de erros. Além disso, permitem ao RH acompanhar a produtividade do funcionário e fazer ajustes para otimizar o desempenho das equipes.

Controle para teletrabalho

Com a regulamentação do teletrabalho, mais companhias estão adotando políticas de home office. Além de contrato especificando as atividades a serem realizadas pelo colaborador fora das dependências da empresa, esta modalidade exige atenção dos empregadores, já que a ausência de um registro da jornada pode motivar eventuais cobranças judiciais. Uma solução para este tipo de questão é utilizar a tecnologia para realizar o controle de frequência à distância. O NewMobile da Norber possibilita a marcação de ponto via smartphone, de qualquer lugar e em tempo real, assegurando que o trabalhador está de fato cumprindo o seu horário, e garantindo os seus direitos.

A Norber é especialista em gestão de frequência e desenvolve sistemas que integram as informações do controle de ponto à folha de pagamento, modernizando rotinas operacionais e garantindo maior segurança jurídica às empresas. Para conhecer as funcionalidades do NewPonto, do NewMobile e de outras soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

5 ideias para engajar a sua equipe

Engajamento, no ambiente corporativo, é a conexão emocional do funcionário com a empresa, a ligação afetiva que motiva a participação e influencia positivamente as atividades do trabalho. No dia a dia, significa promover melhores resultados a partir de comprometimento, entusiasmo e dedicação. Essa prática, no entanto, ainda é um desafio nas corporações.

Segundo pesquisa do Instituto Gallup, apenas 29% da geração millennial sente-se engajada no trabalho e metade pensa em trocar de emprego no próximo ano. As consequências dessa falta de motivação são evasão de talentos e déficit na produtividade. Quer virar esse jogo? Veja como engajar seu time com essas cinco ideias:

Continue reading “5 ideias para engajar a sua equipe”

Millennials x Gestão de Controle e Mobilidade

Sabe aquele colega mais jovem, recém-contratado, que fala de igual para igual com o chefe, executa diversas tarefas ao mesmo tempo e não quer saber de hora para chegar ou sair? Na faixa entre 18 e 35 anos, é criativo, manja de tecnologia e está sempre ligado em suas redes sociais, mas não concebe ter que seguir horário depois que a missão a ele dada foi devidamente cumprida. Pois o tal colega faz parte da geração que se convencionou chamar Millennials. Estima-se que esse novo perfil profissional, questionador, imediatista e hiperconectado, corresponderá a 70% da força de trabalho mundial em 2025; seu comportamento, contudo, já promove mudanças significativas no ambiente corporativo.

Quem são e o que querem

Ainda que pesquisas recentes contestem certos mitos relacionados aos Millennials, os nascidos entre 1980 e 2000, de modo geral, compartilham características em comum: cresceram em um mundo digital, vivem online e estão totalmente habituados às novas tecnologias. A revista Time, em artigo de 2013, chegou a taxá-los de narcisistas e preguiçosos. Segundo a publicação, esses jovens altamente centrados no eu tiveram acesso a tudo que queriam na hora que queriam, foram superprotegidos e tornaram-se ansiosos e demasiadamente autoconfiantes. Como consequência, têm dificuldade em lidar com restrições e hierarquias, se expõem como se participassem de um reality show e estão sempre esperando reconhecimento, ou “likes”.

Na velocidade de um clique

Mas nem tudo são críticas. Quando interagir e comunicar-se online torna-se tão natural quanto respirar, o mundo não tem fronteiras. Abertos à diversidade e muito aptos a mudanças, Millennials são empreendedores natos e não temem arriscar. Proativos e ávidos por inovações questionam os modelos existentes e esperam fazer a diferença.  Diferentemente das gerações X (nascidos entre 1964 e 1980) e Baby Boomers (entre 1946 e 1964), não estão dispostos a sacrificar a vida pessoal pela carreira. O sucesso, para essa turma, está ligado não exclusivamente a promoções ou aumentos de salário, mas a crescimento e satisfação pessoais. Por isso, tendem a preferir trabalhos flexíveis, que sejam desafiadores, prazerosos e tão dinâmicos quanto eles próprios.

Conflito de gerações

Por não se enquadrarem no molde “terno e gravata”, os Millennials podem enfrentar resistência de gestores tradicionais. Para um veterano acostumado a padrões e estruturas rígidas, lidar com um novato que cria sua própria rotina pode parecer uma verdadeira afronta. Por isso, para minimizar um possível conflito de gerações, especialistas em gestão de pessoas recomendam àqueles com anos de casa, serem receptivos a novas ideias e formas de trabalhar, valorizando a produtividade da equipe. Para estimular o potencial criativo dos Millennials, também vale envolvê-los na totalidade dos projetos, de modo que compreendam seu papel dentro de um objetivo maior. Os jovens profissionais também esperam manter relações recíprocas com seus líderes, recebendo deles feedbacks regulares. A motivação, afinal, está no reconhecimento de seus esforços e no próximo desafio.

Tecnologia como aliada

Investir em novas plataformas tecnológicas é também um meio eficaz de diminuir o turnover e reter os jovens talentos dessa geração movida a mudanças. A Norber, especialista em controle de ponto, desenvolve soluções customizadas que auxiliam empresas em seus processos de modernização, nessa era de constante transformação. O NewMobile, que possibilita a marcação de ponto remotamente por meio de smartphone, de qualquer localidade e em tempo real, é um exemplo de como a tecnologia se adapta à realidade em que vivemos. Pensando naquele funcionário que administra sua própria rotina, o aplicativo vai de encontro às necessidades das empresas que oferecem flexibilidade, sem abrir mão dos controles legais do mundo corporativo. Para conhecer todas as funcionalidades dessa inovação, visite www.norber.com.br e fale com a área comercial.