Autogestão: autonomia das equipes beneficia a produtividade

Como líder, você é controlador ou do tipo que dá autonomia à equipe? Quer todos debaixo do seu olhar ou permite que os colaboradores conduzam o próprio trabalho? O modo de liderar pode ter resultados diferentes, e os times treinados para avançar por conta própria costumam ser mais produtivos, inovadores e criativos.

Atualmente, a liderança que valoriza a autogestão das equipes está em alta nas organizações. Cada vez mais, predomina a visão de que os profissionais que administram sua própria rotina e processos de trabalho desenvolvem maior senso de responsabilidade e, portanto, são mais engajados com os resultados da empresa. Veja como estimular a autogestão:

Dê autonomia

O sistema de autogestão está baseado na confiança. Além de delegar tarefas, é preciso dar autonomia para que as equipes participem ativamente dos processos, contribuam para a resolução de problemas e envolvam-se na tomada de decisões. Estimule o espírito de liderança e valorize as contribuições trazidas pelas pessoas. Com certeza você se surpreenderá com ideias originais e criativas.

Fortaleça a comunicação

Nem todos os números e informações podem ser abertos, mas quanto mais informação as pessoas tiverem em mãos, mais subsídios terão para trabalhar. Compartilhe o que for relevante, pois transparência está na base do sucesso. Também é importante deixar claro quais são as expectativas da empresa. Comunique claramente prazos e metas, mas permita que cada colaborador ou equipe ordene prioridades, organize a gestão do tempo e defina os passos para o alcance do objetivo.

Forneça ferramentas de trabalho

A autogestão só funciona de verdade se os colaboradores tiverem acesso a ferramentas de trabalho. Como líder, tome conhecimento de gargalos que dificultam o fluxo de trabalho e certifique-se de contar com softwares e soluções em nuvem, que agilizam processos e melhoram o desempenho das equipes. Em muitos casos, o simples investimento em tecnologia aprimora e muito a produtividade das equipes e a eficiência da gestão.

A Norber desenvolve sistemas de controle de acesso e de frequência alinhados às tendências do mercado corporativo. O NewPonto Cloud é um software que automatiza a gestão do controle de ponto e moderniza operações do dia a dia, disponibilizando informações na nuvem, em tempo real. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Dores do crescimento: como enfrentar o problema e avançar de modo estruturado

Crescer é o objetivo de toda empresa, certo? Porém, nem todas se preparam para isso e, na medida em que expandem e ganham mercado, as reclamações dos clientes aumentam, o turnover cresce e a lucratividade cai, mesmo com a melhoria das vendas. Se a sua organização está passando por problemas desse tipo, é sinal de que está sofrendo as “dores do crescimento”.

Neste caso, é hora de realizar uma análise profunda da gestão e realizar ajustes para que o negócio volte a crescer de modo sustentável e estruturado. Confira nossas dicas para que o processo de crescimento seja menos doloroso:

Capacite e desenvolva lideranças

Não tem como escapar: para ganhar escala, toda empresa precisa se profissionalizar. Em parte, o processo de profissionalização passa pelo investimento em capital humano – afinal, sobrecarga e falta de capacitação geram queda na produtividade. Mas não basta apenas contratar. Para ter um time de fato engajado com o crescimento, recrute as pessoas certas para os cargos, treine colaboradores e, sobretudo, desenvolva lideranças.

Invista em tecnologia

Em geral, os problemas surgem em decorrência da lacuna entre a estrutura existente e a que seria necessária para acompanhar o desenvolvimento. Para suportar o novo tamanho, aposte na inovação e invista em tecnologias que sustentem as necessidades de produtividade das equipes. Softwares de controle de acesso e de jornada, por exemplo, automatizam tarefas e proporcionam mais agilidade aos processos, gerando ganhos de eficiência.

Fortaleça a cultura organizacional

Com o aumento da demanda e do nível de exigência, muitas organizações passam a apenas “apagar incêndios” e acabam se distanciando do seu propósito inicial. De repente, a mão do dono já não está mais presente e a qualidade cai. Para retomar o controle e evitar desvios, fortaleça a cultura organizacional e deixe claro aos colaboradores qual é o caminho a seguir. Os objetivos estratégicos de crescimento devem estar sustentados em valores, então reforce a comunicação interna, escute os clientes e lembre-se que a sua empresa deve atender uma necessidade real do mercado.

A Norber desenvolve sistemas de controle de acesso e de frequência que ajudam organizações a crescerem de modo sustentável. O NewPonto Cloud é um software de controle de jornada na nuvem que automatiza a folha de pagamento e facilita tarefas operacionais do RH. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

5 erros comuns na gestão de projetos de TI e como driblá-los

A decisão de implementar um novo software é sempre vista com otimismo nas empresas. Afinal, contar com tecnologia para otimizar processos significa, no fim do dia, aumentar a produtividade das equipes e a competitividade do negócio. No entanto, as coisas nem sempre acontecem do jeito que a liderança gostaria. A falta de planejamento infelizmente acaba fazendo com que os projetos levem mais tempo para sair do papel ou custem mais do que o previsto. Conheça 5 erros comuns em gestão de projetos de TI e saiba como evitá-los.

  1. Planejamento equivocado

O planejamento evita alterações intermináveis no projeto, retrabalho e atrasos que comprometem o custo-benefício calculado. Por isso, que tal primeiro reunir as áreas que se beneficiarão com a tecnologia a ser implantada para verificar suas reais demandas e alinhar as expectativas? A introdução de um sistema de controle de acesso, por exemplo, exige envolvimento de gestores de RH, TI e segurança. Somente conhecendo as necessidades da sua empresa, será possível desenvolver ou até mesmo customizar um sistema que, de fato, proporcione resultados positivos.

  1. Falta de conhecimento de rotinas

Projetos de TI são complexos e frequentemente podem impactar diversas áreas da companhia. Para mitigar riscos e evitar a interrupção do fluxo de trabalho é necessário avaliar processos, metas e normas das áreas potencialmente afetadas e do negócio como um todo. A avaliação criteriosa de rotinas permite desenvolver mecanismos para aplicar mudanças sem comprometer as tarefas do dia a dia.

  1. Deixar de contar com parceiros especialistas

Em muitos casos, a contratação de uma empresa especializada é o modo mais eficiente, seguro e barato de investir em tecnologia. Além de expertise no desenvolvimento de softwares, parceiros especialistas podem criar soluções customizadas, executar a implantação com agilidade e fornecer suporte técnico. Além disso, são capazes de reconhecer incompatibilidades com ferramentas já em uso e realizar correções e ajustes antecipadamente.

  1. Falta de liderança e comunicação deficitária

Independentemente do software introduzido, é fundamental que os projetos de TI sejam geridos por profissionais experientes e comprometidos. A liderança tem papel decisivo para o cumprimento do cronograma e o alcance dos objetivos com a qualidade requerida. A gestão eficiente também requer comunicação efetiva, seja para lidar com a equipe interna responsável pela execução ou com o fornecedor de tecnologia.

  1. Não realizar o treinamento da equipe

Deixar de realizar o treinamento da equipe pode colocar todo o esforço a perder. A instrução dos usuários sobre os recursos e funcionalidades da nova aplicação potencializa o uso do sistema implantado, tornando as rotinas mais ágeis e integradas. Consequentemente, o retorno do investimento será mais rápido e efetivo.

A Norber desenvolve softwares de controle de acesso e de frequência que promovem melhorias nos processos de gestão de pessoas. O NewAcesso, sistema para gerenciamento de ambientes que demandam segurança, é compatível com catracas dos principais fabricantes e integrável ao NewPonto Cloud, software de controle de ponto na nuvem. Para conhecer as funcionalidades destas soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Modelos de gestão: qual o mais adequado para sua empresa

O modelo de gestão de uma empresa diz muito sobre a maneira como as lideranças administram seus recursos – humanos e financeiros – em prol do crescimento do negócio. Seja focando em resultado ou tornando o processo decisório mais participativo, o objetivo é sempre aumentar a competitividade e melhorar a lucratividade. O modelo adotado, porém, depende de diversos fatores, como a cultura organizacional, o perfil dos funcionários e tipo de atuação. Conheça os principais modelos de gestão e decida qual o mais adequado para a sua empresa.

Gestão participativa

Por meio de relações menos hierárquicas e mais verticalizadas, este modelo incentiva a participação e o engajamento dos colaboradores, que têm voz ativa no processo decisório. Também chamada de gestão democrática, pressupõe habilidade comunicacional elevada, maturidade para debater e negociar, além de colaboração e trabalho em equipe.

Gestão meritocrática

A ideia é alavancar a performance recompensando o colaborador a partir de seu desempenho individual. Se por um lado o modelo meritocrático estimula a competitividade, por outro pode acirrar disputas e elevar a tensão internamente. Para funcionar, deve necessariamente contar com avaliações transparentes – de modo que todos tenham oportunidades de crescer junto com a empresa.

Gestão focada em resultados

O alcance de metas é o que realmente importa neste modelo de gestão que almeja soluções rápidas. Com objetivos bem definidos, valoriza-se mais o resultado do que o processo para atingi-lo. Aqui, a quantidade de horas passadas dentro do escritório ou os caminhos na realização de tarefas não têm relevância desde que a entrega seja real e efetiva.

Gestão focada em processos

A palavra-chave deste modelo de gestão é aprimoramento de processos. Com foco na eficácia do trabalho realizado, visa otimizar o tempo e os recursos de modo a agregar valor a todas as etapas da cadeia produtiva. Por valorizar a qualidade do produto ou serviço final, exige metodologia, controle e sistematização.

A Norber desenvolve sistemas de controle de acesso e de frequência que modernizam a gestão de pessoas. O NewPonto Cloud é um software que integra as informações do controle de ponto à folha de pagamento, garantindo mais agilidade e eficiência ao RH. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

4 lições de liderança e carreira do filme “O Diabo Veste Prada”

Lançado em 2006, o filme “O Diabo Veste Prada” se tornou um clássico do cinema e até hoje é fonte de inspiração para o mundo corporativo. Na trama, a recém-formada jornalista Andrea Sachs (Anne Hathaway) se submete à gestão autoritária de Miranda Priestly (Meryl Streep), a temida editora da revista que é considerada a “bíblia da moda”. Com cenas divertidas, o longa apresenta uma série de conflitos que funcionam como lições de liderança e carreira para o dia a dia no trabalho. Confira:

  1. Liderança

Quem assistiu ao filme sabe que a toda-poderosa Miranda, definitivamente, não tem o perfil de líder. Autoritária, ela chega a cometer abusos e crueldades. Seu jeito de comandar é mais parecido com o dos chefes do passado, baseado em poder e intimidação. Trata-se de um estilo oposto ao praticado pelas lideranças mais admiradas da atualidade, que praticam uma gestão mais participativa e menos hierárquica para extrair o melhor dos colaboradores. Respeito, cooperação e engajamento por meio do exemplo são mais eficientes para a conquista de resultados e para a construção de um ambiente de trabalho saudável.

  1. Adaptação

Pouco antenada ao mundo fashion, Andrea tinha tudo para não dar certo na revista. Quando estava prestes a desistir, um amigo lhe disse: “Você não está tentando, está lamentando”. Ao perceber que a mudança dependia só dela mesma, a jovem assistente entrou no jogo para jogar. Tão logo passou a se interessar por moda e usar roupas adequadas ao cargo, sua confiança cresceu, assim como o comprometimento com o trabalho. Adaptar-se à cultura da empresa foi o grande passo para a transformação da protagonista, que ganhou o respeito e a admiração dos colegas – inclusive da arrogante Emily, que vivia tentando lhe puxar o tapete.

  1. Superação

Você já se viu diante de uma tarefa tão desafiadora que achou que não poderia cumpri-la? Andrea também, quando a chefe implacável lhe pediu que conseguisse o manuscrito inédito do novo livro da saga Harry Potter. O que parecia impossível se tornou realidade quando, focando mais na solução do que no problema, ela procurou alternativas, fez bom uso do networking e alcançou seu objetivo. A lição: com determinação e pensando fora da caixa é possível superar expectativas e chegar ao fim do expediente com aquela sensação de dever cumprido.

  1. Equilíbrio

No decorrer do filme, Andrea passa a viver para o trabalho. Para atender aos pedidos mirabolantes da chefe, ela fica disponível 24 horas por dia – o que acaba a afastando da família e dos amigos. Dedicação é extremamente importante para uma carreira de sucesso, mas o limite é o equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

Gostou do filme ou se identificou com algumas das situações relatadas? Quais aprendizados da ficção você leva para sua carreira?

A Norber desenvolve sistemas de controle de acesso e de frequência que promovem melhorias nos processos de gestão de pessoas. O NewPonto Cloud é um software que automatiza o controle de ponto e o integra à folha de pagamento, facilitando o dia a dia do RH. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Squad: conheça o modelo organizacional adotado por startups como o Spotify

Conquistar agilidade para responder às demandas em constante transformação é o objetivo de toda empresa que deseja ser competitiva. Por esse motivo, tem aumentado o investimento em softwares que automatizam processos e descomplicam rotinas corporativas. Paralelamente à aposta em tecnologia, novos modelos organizacionais surgem para aprimorar a dinâmica de trabalho. Um deles é o Squad, que foi adotado pela gigante do streaming Spotify e se tornou tendência entre startups.

Como o nome em inglês sugere, squads são esquadrões. Diferentemente do modelo tradicional no qual áreas de uma companhia atuam isoladamente, os squads são equipes multidisciplinares e autogerenciadas que reúnem profissionais de diferentes setores – isto é, em um mesmo grupo há um representante de TI, outro de RH e alguém de Design e Finanças, por exemplo. Cada grupo tem um objetivo específico a cumprir – e autonomia suficiente para definir prioridades e tomar decisões.

Autonomia, agilidade e alinhamento

A ideia do formato é garantir agilidade na execução dos projetos, seja o desenvolvimento de um novo produto ou a solução de um problema. Por se tratarem de times pequenos e multidisciplinares, a comunicação entre os membros é facilitada e as respostas são geradas com maior velocidade e eficiência, sempre a partir da troca de conhecimentos e do cruzamento de experiências.

Além de agilidade na entrega, outra vantagem do modelo é a liderança compartilhada. Embora em cada squad exista um product owner, que é o responsável por definir prioridades, as relações dentro dos grupos são orgânicas e horizontais – o que se traduz em mais comprometimento e aumento da produtividade. Vale destacar o maior alinhamento aos objetivos do negócio, assegurado pela comunicação através dos demais níveis de agrupamentos, como as tribes (junção de dois ou mais squads que possuem objetivos similares) e os chapters (profissionais com a mesma skill, isto é, do mesmo departamento).

Pensando em implementar o modelo de squads na sua empresa? Então coloque na balança os pros e contras. O sucesso do formato depende da cultura corporativa e da maturidade dos profissionais em atuar com liberdade e autonomia. Nas empresas com hierarquias rígidas pode ser difícil a adaptação a um método que demanda flexibilidade, colaboração e autogestão. Você faz parte de algum squad? Compartilhe conosco sua experiência com esta metodologia.

A Norber desenvolve tecnologias de controle de acesso e de frequência alinhadas às novas demandas do mercado. Softwares como o NewPonto Cloud e o NewMobile modernizam rotinas do RH e ao mesmo tempo fornecem maior flexibilidade e mobilidade aos usuários. Para conhecer as funcionalidades destas soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

5 razões para cultivar a diversidade no ambiente de trabalho

A liderança tem papel decisivo na promoção da diversidade no ambiente de trabalho. É por meio do comprometimento de diretores, gerentes e líderes que políticas de inclusão são tiradas do papel e se tornam realidade, seja na hora de contratar, equiparar salários e garantir igualdade de oportunidades. As empresas mais inovadoras já compreenderam as vantagens dos ambientes heterogêneos e abertos aos diferentes gêneros, competências, etnias, idades e origem social. Veja 5 razões para seguir este exemplo e cultivar a diversidade.

  1. Enriquecimento cultural

Profissionais de perfis diferentes têm vivências, conhecimentos e experiências diferentes. Quanto maior for a mistura de perfis, mais amplo será o campo de visão de uma empresa e, portanto, maior sua capacidade de desenvolver soluções criativas. A pluralidade de ideias é enriquecedora, pois abre um mundo de novas perspectivas.

  1. Cultura da inovação

Segundo pesquisa da consultoria Accenture, empresas inclusivas e diversas são 11 vezes mais inovadoras do que a concorrência. O estudo “Getting to Equal 2019” mostrou que 85% das pessoas em companhias que valorizam a cultura da igualdade não têm medo de errar para inovar.

  1. Redução de conflitos

O convívio com a diferença é a chave para a empatia. Ao se colocar no lugar do outro, há uma maior compreensão de pontos de vista distintos. A valorização da diversidade resulta em um melhor clima organizacional, pois embora o jeito de pensar seja diferente, imperam o diálogo, a busca por acordo e o respeito ao próximo.

  1. Aumento da produtividade

Ambientes que acolhem a diversidade tendem a apresentar menores taxas de turnover e de absenteísmo. Na medida em que os profissionais encontram um lugar cooperativo, acolhedor e flexível, passam a se sentir mais engajados com a empresa e mais motivados a desempenhar suas tarefas com eficácia.

  1. Fortalecimento de imagem

Empresas que combatem preconceitos são bem vistas não só pelos funcionários, mas também pela sociedade. Ao garantir que minorias historicamente excluídas do mercado de trabalho tenham as mesmas oportunidades, as corporações cumprem seu papel social e fortalecem a imagem junto a clientes e formadores de opinião.

A Norber desenvolve sistemas de controle de acesso e de frequência alinhados às novas demandas do mercado de trabalho. O NewPonto Cloud é um software que automatiza a gestão do controle de ponto e moderniza operações do dia a dia. Para conhecer as funcionalidades desta solução, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Liderança 4.0: Características do gestor na era digital

O modelo tradicional de gestão, marcado por hierarquia, padronização e controle, está ficando para trás. O progresso tecnológico e a chegada de gerações hiperconectadas ao mercado de trabalho exigem das empresas uma gestão mais compartilhada e menos hierárquica: a liderança 4.0. Este novo conceito faz referência à chamada 4ª Revolução Industrial, ou Indústria 4.0, processo cujo potencial transformador é tão ou mais poderoso que o proporcionado pela máquina a vapor, a eletrônica ou a informatização nos séculos passados.

Nesta nova era, a convergência de tecnologias disruptivas como robótica, inteligência artificial, internet das coisas e computação em nuvem tem impacto radical no modo de vida, no consumo, no jeito de se relacionar e de fazer negócios. O ambiente empresarial, consequentemente, tem que contar com líderes verdadeiramente dispostos a estimular a inovação em seus times para lidar com os desafios da nova era digital.

Foco nas pessoas

Em um ambiente de cadeias produtivas conectadas e processos adaptáveis, é papel da liderança focar nas pessoas. O líder 4.0 atua como um facilitador, alguém que promove o diálogo e empodera os colaboradores. Sua principal característica é a capacidade de entender o outro e extrair dele todo seu potencial. Empatia, facilidade de comunicação e habilidade para lidar com a diferença são aspectos fundamentais.

Colaboração e autogestão

Equipes formadas por millennials e centennials buscam maiores desafios, autonomia e responsabilidades. Para engajar e motivar esta turma movida por propósito é preciso que o líder delegue e faça com que cada um se sinta parte do todo. Ao estimular a comunicação, a autogestão e a colaboração, é possível colher resultados extraordinários, mesmo com os integrantes do time trabalhando à distância.

Rapidez na tomada de decisões

Diante de informações disponibilizadas na nuvem e em tempo real, o líder 4.0 deve tomar decisões rápidas e ter inteligência emocional para lidar com pressões. No dia a dia, deve compreender a totalidade do negócio e ser ágil para encontrar oportunidades. Saber gerenciar conflitos e ter foco nos resultados também são habilidades necessárias ao perfil moderno de gestão.

A Norber desenvolve tecnologias de controle de acesso e de frequência alinhadas às novas demandas do mercado de trabalho. Softwares como o NewPonto Cloud e o NewMobile modernizam rotinas do RH e ao mesmo tempo fornecem maior flexibilidade e mobilidade às lideranças e aos usuários. Para conhecer as funcionalidades destas soluções, acesse  www.norber.com.br e fale com o nosso Comercial.

Planejamento estratégico 2019: direcione a gestão empresarial

Planejar é fundamental para a conquista de resultados. Com o fim do ano se aproximando, é chegada a hora de elaborar o planejamento estratégico, ferramenta que irá direcionar a gestão empresarial ao longo de 2019. Mais que apenas definir metas para o próximo ano, este documento orienta onde concentrar esforços e alocar recursos para o alcance de objetivos. A ideia é que, com um planejamento estratégico bem definido, todos os projetos e decisões estejam alinhados com a visão de futuro da empresa. Confira nossas dicas.

Análise de riscos e oportunidades

O primeiro passo para elaborar um planejamento estratégico assertivo é definir aonde sua empresa deseja chegar. Para isso, é aconselhável olhar não só os indicadores de desempenho internos, mas também o cenário externo. Dados de mercado, análise da concorrência e tendências de consumo fornecem bons insights e ampliam o olhar para novas perspectivas. Vale usar a metodologia SWOT para medir forças, fraquezas, oportunidades e ameaças.

Defina metas e crie um plano de ação

Uma vez estabelecidos os objetivos da empresa, defina metas claras para que as equipes, em todas as esferas da organização, direcionem esforços para o mesmo foco. Para cada objetivo, seja ele crescer em determinado mercado, lançar um novo produto ou abrir uma filial no exterior, crie sempre um plano de ação. A ideia é traçar uma estratégia de execução prevendo as várias operações necessárias, desde realização de eventos, reforço de equipe ou investimento em tecnologia. Desta maneira é possível manter as ações alinhadas, evitando que a empresa desvie do propósito.

Foque na gestão de pessoas

A contribuição dos funcionários é peça-chave para o sucesso de qualquer negócio. Por isso, inclua as pessoas no planejamento estratégico. Com base nos dados fornecidos pelo RH, avalie a performance das equipes, reveja atribuições e certifique-se que o potencial dos colaboradores está de fato sendo bem aproveitado.

O tempo também é um bem precioso e, para que prazos sejam rigorosamente cumpridos, também é necessário realizar um controle de jornada eficaz. Para isso, um sistema de controle de ponto automatizado permite gerenciar horários, controlar horas extras, agilizar processos e obtenção de dados, deixando o RH mais livre para ações e tomadas de decisões mais estratégicas.

A Norber é especialista em gestão de controle de ponto e desenvolve softwares que modernizam rotinas do RH. Para conhecer as funcionalidades do NewPonto, do NewMobile e de outras soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Ascensão profissional: 4 dicas para criar oportunidades

A possibilidade de crescer dentro da empresa é um importante fator para o engajamento. No entanto, nem sempre as companhias dispõem de programas de desenvolvimento de funcionários ou planos de carreira, e acabam frustrando expectativas ao buscar fora da empresa os talentos para ocupar os cargos de gerência e diretoria. Se esta situação já aconteceu com você, veja estas dicas para se destacar, ganhar a confiança da chefia, criar novas oportunidades e conquistar a tão sonhada promoção.

  1. Mostre resultados

Pode parecer lugar-comum, mas mostrar resultados é importante para se destacar na empresa. Em muitos casos, o motivo da estagnação é a baixa visibilidade junto aos gestores. Por isso, faça uso de indicadores de desempenho para deixar claro como a sua contribuição pessoal impacta a companhia. Números são sempre excelentes argumentos, pois demonstram seu comprometimento com o sucesso do negócio.

  1. Desenvolva competências gerenciais

Se você já domina questões operacionais, é hora de investir nas competências gerenciais. Posições mais altas exigem habilidades que, às vezes, não desenvolvemos quando lidamos apenas com o lado técnico. Qualifique-se em práticas de gestão, aprenda a gerenciar equipes, melhore habilidades comunicacionais e mantenha um bom relacionamento com todos.

  1. Envolva-se em projetos estratégicos

Você está estagnado na sua área e quer encarar novos desafios? Então seja proativo e crie oportunidades envolvendo-se em novos projetos, principalmente os estratégicos. Esse é o melhor caminho para ampliar seu olhar e se tornar um profissional mais generalista que especialista. Ao abrir novas frentes em áreas diferentes da sua, você adquire uma visão global do negócio e fica apto a tomar decisões estratégicas.

  1. Tenha postura e valores compatíveis

Profissionais que alcançam os postos de maior destaque são aqueles com valores aderentes aos da companhia. O tão falado “sentimento de dono” nada mais é que a identificação com os ideais da organização. Assim, mantenha uma postura compatível, faça do propósito da empresa o seu próprio propósito e conquiste seu espaço na companhia.

A Norber é especialista em gestão da jornada de trabalho e desenvolve softwares que integram as marcações do controle de ponto à folha de pagamento. Para conhecer as funcionalidades do NewPonto, do NewMobile e de outras soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.