Férias coletivas: entenda as regras e vantagens

A reta final do ano é sinônimo de descanso para muita gente. Isso porque em dezembro muitas empresas concedem aos colaboradores férias coletivas. Diferentemente do recesso, considerado um benefício oferecido voluntariamente pelas companhias, as férias são um direito trabalhista e sua concessão segue regras previstas em lei. 

Por que adotar férias coletivas

As férias coletivas costumam ser adotadas de maneira estratégica pelas empresas. Os motivos são variados, como a baixa demanda pelos produtos ofertados ou, como tem acontecido em alguns segmentos industriais, a falta de insumos para a produção. Em relação às férias individuais, a modalidade tem como principal vantagem o fato de permitir a paralisação completa de um departamento ou linha de produção. Assim, ainda que represente um aumento na folha de pagamento, possibilita reduzir gastos com energia e outras despesas variáveis. Além disso, é visto como o momento ideal para a realização de reformas e manutenções na infraestrutura. Para os funcionários, significa curtir as festas de fim de ano, descansar ou viajar com a família.

Como funciona

A decisão de conceder férias coletivas é exclusivamente da empresa, ou seja, independe da vontade do colaborador. Contempla a empresa inteira ou alguns setores, desde que a totalidade do setor. Podem ser concedidas em dois períodos anuais, com no mínimo 10 dias corridos cada, e são descontadas das férias individuais do colaborador. Para formalizar o aviso, é necessário comunicar a Secretaria do Trabalho com antecedência de ao menos 15 dias, assim como o sindicato da categoria profissional. Os funcionários também precisam ser avisados antecipadamente.  

Como é feito o pagamento

Assim como nas férias individuais, a modalidade coletiva é remunerada e leva o adicional de 1/3 do salário, incluindo a média de horas extras e comissões. O valor, proporcional ao período tirado, deve ser pago até dois dias antes do início do gozo das férias. 

Vale lembrar que os dias de férias a que o colaborador tem direito podem variar de acordo com o número de faltas – daí a importância de uma boa gestão da frequência. O funcionário que teve mais de 6 faltas não justificadas no ano, por exemplo, tem direito a 24 dias de férias – e não 30 dias. 

Para aqueles que não completaram 1 ano de trabalho, as férias coletivas são proporcionais e um novo período aquisitivo é iniciado. 

A Norber desenvolve softwares de controle de ponto que facilitam a gestão da frequência dos colaboradores, incluindo os que atuam em jornada remota. O NewPonto Cloud armazena dados na nuvem, possibilitando o gerenciamento online da jornada. Já o NewMobile permite a marcação de ponto via smartphone, de qualquer lugar e em tempo real. Para conhecer as funcionalidades destas soluções, visite www.norber.com.br

Gestão de férias: pontos de atenção para um controle eficiente

A gestão de férias é uma atribuição do RH que exige planejamento e muita organização.  De modo geral, os responsáveis por este controle precisam ter o cuidado de evitar ausências simultâneas, que sobrecarregam equipes e prejudicam a produtividade. Outro ponto importante são os prazos de vencimentos. Férias “vencidas” podem gerar passivos trabalhistas e impactar negativamente no orçamento empresarial. Confira nossas dicas para fazer um controle de férias eficiente.

Observe a legislação trabalhista 

O primeiro passo é conhecer profundamente a legislação trabalhista. Segundo a CLT, para cada 12 meses de trabalho (período aquisitivo) o colaborador tem direito a 30 dias de férias remuneradas, com adição de 1/3 do salário normal. O início das férias deve ocorrer dentro dos 12 meses seguintes (período concessivo) e ser comunicado com antecedência de 30 dias, por escrito e mediante recibo. 

Para fazer o cálculo das férias, é importante ter em mãos o controle de frequência do funcionário, já que o número de dias de descanso a que ele terá direito varia de acordo com o número de faltas injustificadas que teve no ano. Quem teve até 5 faltas tem direito a 30 dias de descanso remunerado, mas quem faltou entre 6 a 14 vezes, o número cai para 24 dias.

Detalhe: as férias podem ser fracionadas em até três períodos, desde que um deles não seja ser inferior a 14 dias corridos e os demais não sejam inferiores a cinco dias corridos cada.

Em relação às férias coletivas, as empresas em geral as concedem de maneira estratégica, como nos períodos de baixa demanda por seus produtos ou serviços. Neste caso, é necessário comunicar o Ministério da Economia e o sindicato profissional da categoria, sempre observando acordos coletivos.  

Pontos de atenção

No ano passado, em razão da pandemia do novo coronavírus, o governo flexibilizou algumas regras trabalhistas. A MP 927, por exemplo, possibilitou a antecipação de férias individuais e coletivas, sem cumprimento do período aquisitivo de 12 meses. Nas empresas que utilizaram tal recurso, é necessário dedicar especial atenção ao controle de férias porque há funcionários que já desfrutaram do período de descanso remunerado e, portanto, devem cumprir novo período aquisitivo. Vale lembrar que essa MP perdeu a validade em 19 de julho de 2020, ou seja, a concessão de férias desde então segue as regras da CLT. 

Outro ponto de atenção é em relação às férias de quem teve o contrato de trabalho suspenso e de quem teve a jornada reduzida. No primeiro caso, os meses suspensos não contam como período aquisitivo, ou seja, o funcionário somente poderá gozar das férias remuneradas com o adicional de 1/3 quando completar 12 meses trabalhados. Já para os casos de redução de jornada, a Nota Técnica SEI n⁰ 51520/2020/ME emitida pela Secretaria do Trabalho orienta que não há impacto no período aquisitivo e nem no pagamento das férias. Em tempo: o programa que permitia a suspensão de contrato e a redução de jornada deixou de valer em 1º de janeiro deste ano.      

O controle das férias é assunto sério. Por isso, vale contar com sistemas de gestão de frequência como o NewPonto Cloud da Norber, que ajudam os gestores a definir políticas, organizar as datas e vencimentos, assim como ter todos os registros de ponto em mãos para o cálculo das férias.

A Norber desenvolve sistemas que facilitam a gestão da frequência dos colaboradores, incluindo equipes híbridas e remotas. O NewMobile permite a marcação de ponto via smartphone, de qualquer lugar e em tempo real. Já o NewPonto Cloud armazena dados na nuvem, possibilitando o gerenciamento online da jornada. Para conhecer as funcionalidades destas soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

 

Medida Provisória 927: novas regras trabalhistas no período da pandemia

A necessidade de isolamento social provocou uma verdadeira corrida para o home office. Por causa da pandemia do coronavírus, até mesmo empresas que nunca antes haviam experimentado essa modalidade de trabalho à distância passaram a adotá-la como forma de proteger funcionários da contaminação e, ao mesmo tempo, evitar a paralisação dos trabalhos. Outras medidas, como a concessão de férias coletivas, também se tornam alternativas para minimizar os impactos econômicos da crise – e com o respaldo da Medida Provisória 927 (de 22 de março de 2020), que flexibilizou algumas normas trabalhistas. Confira as principais mudanças apresentadas pela MP, que aguarda aprovação do Congresso.

Home office

Durante o período de calamidade pública, o empregador pode alterar o regime de trabalho presencial para o trabalho remoto, independentemente da existência de acordos prévios. Essa alteração precisa ser notificada ao funcionário com ao menos 48 horas de antecedência, por escrito ou por meio eletrônico. O fornecimento de equipamentos ou infraestrutura para a realização do trabalho deve ser previsto em contrato escrito, firmado previamente ou no prazo de 30 dias. Estagiários e aprendizes também estão autorizados a trabalhar no esquema home office. 

Férias individuais e coletivas

As férias individuais agora podem ser concedidas ao colaborador que ainda não completou o período de 12 meses de serviço. Essa antecipação precisa ser informada com ao menos 2 dias de antecedência. Em relação à concessão de férias coletivas, que deixam de ter limite máximo de períodos anuais ou limite mínimo de dias corridos, o empregador fica dispensado da comunicação prévia ao órgão local do Ministério da Economia e ao sindicato profissional da categoria. Vale lembrar que funcionários que fazem parte do grupo de risco da Covid-19 têm prioridade de férias. 

Feriados

Segundo a Medida Provisória, fica permitido aos empregadores realizar acordos para o aproveitamento e antecipação de feriados não religiosos, incluindo federais, estaduais, distritais e municipais. É preciso comunicar com 48 horas de antecedência as datas, que podem ser usadas para compensação do saldo em banco de horas.

Banco de horas

Em caso de interrupção da atividade empresarial em razão da pandemia, está autorizada a compensação da jornada por meio de banco de horas, que deve ser estabelecido por acordo individual ou coletivo. A compensação será feita em até 18 meses (a partir do encerramento do período de calamidade pública) e é limitada a duas horas, não podendo exceder 10 horas por dia.  

Segurança e saúde no trabalho

A liminar expedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 29 de abril estabeleceu que a Covid-19 pode ser caracterizada como doença ocupacional e suspendeu o artigo 29 da MP 927 (que estipulava comprovação de nexo causal). Na prática, a decisão do STF facilita a obtenção de direitos e ressarcimentos pelo funcionário que contrair a doença em decorrência do trabalho. Diante deste cenário, o empregador deve reavaliar a gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (SST), observando a adequação do ambiente, o fornecimento de equipamentos de proteção e o risco de exposição.

Diante destas novas exigências e possibilidades, serão beneficiadas as empresas capazes de administrar de modo eficaz a jornada de trabalho dos seus colaboradores, tanto os remotos como os presenciais. Por meio de softwares de gestão de frequência e de recursos mobile é possível controlar a marcação de ponto à distância, gerir o banco de horas com precisão, assim como fazer um escalonamento planejado das férias.

Se a sua empresa adotou o home office às pressas ou está planejando reestruturações para atravessar essa fase crítica, é hora de investir em sistemas integrados e tecnologias cloud que proporcionam mais eficiência, controle e segurança à gestão da jornada de trabalho.    

A Norber desenvolve softwares que facilitam o controle de frequência dos colaboradores, incluindo dos que trabalham remotamente. O NewMobile permite a marcação de ponto via smartphone, de qualquer lugar e em tempo real. Já o NewPonto Cloud armazena dados na nuvem, possibilitando o gerenciamento online da jornada. 

Para conhecer as funcionalidades destas soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Férias coletivas: como planejar e aplicar na sua empresa

As festas de fim de ano estão chegando e, em muitas empresas, esta época é sinônimo de férias coletivas. Neste período, diversas companhias aproveitam que a procura dos clientes por seus produtos ou serviços é baixa para interromper as atividades e, assim, conceder férias simultaneamente a todos os colaboradores ou àqueles de determinado setor ou unidade. Saiba como planejar a concessão de férias coletivas e conheça os principais custos e procedimentos.

Quando conceder

Embora seja bastante frequente no fim do ano, este recurso pode ser aplicado em qualquer período, desde que cumpridas as obrigações legais. A ideia é aproveitar a sazonalidade do segmento de mercado em momentos em que a demanda, e consequentemente a necessidade de mão de obra, é menor.

Qual o período mínimo

As férias coletivas podem ser determinadas pela empresa independentemente da vontade do colaborador, segundo Artigo 139 da CLT. Podem ser divididas em até dois períodos de, no mínimo, 10 dias cada, e são descontadas do saldo total de férias de cada funcionário. Assim como as férias individuais, não começam em domingos e feriados.

Comunicação e procedimentos administrativos

O aviso de férias coletivas deve ser realizado ao menos 15 dias antes do início do recesso, seja por comunicado no mural de avisos, jornal interno ou email. Quanto antes, melhor o funcionário poderá se planejar. Para validar a ação, o RH precisa comunicar as datas estipuladas e setores beneficiados ao órgão local do Ministério do Trabalho (DRT), assim como informar o sindicato profissional da categoria. Também é imprescindível realizar a anotação na carteira de trabalho.

Pagamento das férias

Do mesmo modo que as férias individuais, as coletivas são remuneradas e têm um acréscimo de 1/3 do salário do trabalhador, proporcionais ao período de duração. Como o valor deve necessariamente ser pago dois dias antes da data de início das férias, é importante fazer um correto planejamento de custos.

A Norber é especialista em controle de ponto e desenvolve soluções que auxiliam na gestão da jornada de trabalho dos colaboradores. Para conhecer as funcionalidades do NewPonto, do NewMobile e de outras soluções, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.