Empoderamento feminino: 7 práticas para o mercado de trabalho

A presença das mulheres no mercado de trabalho tem aumentado gradativamente ao longo das últimas décadas, mas ainda há muito a ser feito pela igualdade de gênero nas empresas. Apesar dos avanços, as mulheres ainda ganham menos que os homens e estão subrepresentadas em cargos de direção. No Brasil, por exemplo, a média salarial feminina corresponde a 74,5% da masculina, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2014, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para mudar esse cenário, a ONU Mulheres desenvolveu os Princípios de Empoderamento Feminino, documento de boas práticas para a construção de um ambiente corporativo igualitário. Conheça os 7 princípios:

  1. A liderança promove a igualdade de gênero

CEOs e líderes devem dar exemplo e assumir a igualdade de gênero como compromisso de longo prazo, comprometendo-se publicamente com o tema. Também devem estabelecer metas, institucionalizar mudanças estruturais e garantir orçamentos.

  1. Igualdade de oportunidades, inclusão e não-discriminação

Na prática, esse princípio visa mapear e, se preciso, corrigir políticas internas, proibindo a discriminação de gênero nos processos de contratação, nas políticas de retenção, promoção, salários e benefícios.

  1. Saúde, segurança e fim da violência

Esse princípio reconhece as diferenças entre homens e mulheres, mas sem reforçar estereótipos como a crença errônea de que elas acarretam mais custos devido à licença maternidade. Aqui, vale implantar creches e salas de amamentação, e considerar a adoção de jornadas flexíveis. A violência no trabalho também deve ser combatida, incluindo o abuso físico e verbal.

  1. Educação e formação

No mundo corporativo, é fato que as mulheres acabam não alcançando os cargos hierárquicos mais altos. A ideia por trás de programas de mentoria e de capacitação voltados às mulheres é eliminar os obstáculos, muitas vezes culturais, que impedem o crescimento profissional. Igualmente importante é acabar com o preconceito que afeta a percepção das profissionais mulheres.

  1. Práticas da cadeia de fornecedores e de marketing

Quer influenciar toda a sua cadeia de fornecedores acerca da importância da igualdade de gênero? Para isso, a sua empresa pode compartilhar as próprias políticas e também criar critérios que incluam esse tema para a realização de novas parcerias. Ações de marketing também impactam positivamente o empoderamento feminino na medida em que têm representação inclusiva e que desconstroem estereótipos.

  1. Liderança comunitária e envolvimento

Engajar a sua empresa em ações sociais é um bom jeito de influenciar não apenas seus funcionários, mas toda uma comunidade. Projetos sociais que fomentem o empreendedorismo feminino ou que capacitem mulheres de baixa renda são essenciais para uma verdadeira transformação social.

  1. Transparência, medição e relatórios

O comprometimento da sua empresa com a igualdade de gêneros deve ser medida e relatada. Estabeleça metas quantificáveis, use indicadores de desempenho e desenvolva relatórios para acompanhar progressos.
Especialista em gestão de controle de ponto, a Norber felicita suas funcionárias, parceiras e clientes pelo Dia Internacional da Mulher. Entre os produtos desenvolvidos pela Norber está o NewPonto, software que integra as informações do controle de ponto à folha de pagamento, gerando dados relevantes que permitem o RH monitorar ações e promover a igualdade de gênero nas corporações. Para conhecer as funcionalidades dessa e outras soluções customizáveis, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Empoderamento feminino: 7 práticas para o mercado de trabalho
Empoderamento feminino: 7 práticas para o mercado de trabalho