4 dicas para empreender na Economia Criativa

O conhecimento, a criatividade e o capital intelectual são os principais recursos produtivos da chamada Economia Criativa. Diferentemente do modelo econômico tradicional, as empresas associadas a esse segmento utilizam o talento como matéria-prima, transformando a criatividade em produtos e serviços comercializáveis, isto é, com valor econômico. Entre as áreas ligadas a esse novo modelo produtivo estão design, turismo, artes e moda, além de atividades da indústria cultural e relacionadas ao desenvolvimento de tecnologias, games e softwares. Em “Economia Criativa: Como Ganhar Dinheiro a Partir de Ideias” (2001), John Howkins (2001) lembra que a criatividade não é monopólio dos artistas. Segundo ele, está presente nos cientistas, empresários, economistas e todos que têm a capacidade de criar algo original, significativo e real. Tem uma boa ideia? Então saiba como empreender na Economia Criativa.

  1. Pense fora da caixa

Não há fórmula para a criatividade, mas certamente ela está ligada à combinação de liberdade e educação de alto nível. Tanto que na vanguarda da Economia Criativa estão países que estimulam a inovação, como Austrália e Inglaterra. Para imaginar algo que ninguém nunca fez, conheça pessoas e lugares diferentes, busque oportunidades nas demandas do mercado, equipe-se de conhecimento e deixe as ideias fluírem. Isso pode funcionar mais que uma reunião de brainstorming.

  1. Transforme a ideia em negócio

A criatividade, por si só, não é necessariamente uma atividade econômica. Ela gera receita apenas caso produza serviços ou produtos com implicações econômicas. Por isso, tão importante quanto ter o insight criativo é fazer dele um negócio. Para tirar a ideia do papel, busque oportunidades, atraia investidores, estude as necessidades do mercado e torne seu produto real, relevante, desejável e escalonável.

  1. Tenha um propósito

Tendência mundial, os empreendimentos criativos valorizam mais o processo que o produto. Normalmente, oferecem uma experiência no lugar de commodities, geram relações e empregos sustentáveis, buscam o impacto social e estimulam o crescimento inclusivo. Fazem parte, portanto, do universo colaborativo, em que compartilhar é palavra-chave.

  1. Invista em gestão

Ainda que a criatividade torne sua empresa inovadora e competitiva, isso não significa que a gestão possa ser deixada de lado. Além de empreendedor, seja também administrador e cerque-se de profissionais de finanças, RH e marketing. Se, por um lado, a criatividade e o talento individual são o coração do seu negócio, por outro você pode aplicar a tecnologia aos processos que dispensam a intervenção humana para reduzir custos e melhorar a produtividade.

Especialista em gestão de controle de ponto, a Norber desenvolve soluções que melhoram processos organizacionais com confiabilidade. Um software como o NewPonto automatiza a marcação dos horários de entrada e saída dos funcionários e integra as informações à folha de pagamento. Para conhecer as funcionalidades do NewPonto, visite www.norber.com.br e fale com a Área Comercial.

Barra_Norber_CINZA_630
4 dicas para empreender na Economia Criativa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *